Um modo novo de pensar a criação de contratos, mais transparente e colaborativo, pode ajudar a estruturar negócios de impacto positivo

O momento de assinar um contrato quase sempre é de apreensão, pelo menos para quem não tem intimidade com o meio jurídico. As páginas e páginas repletas de texto, linguagem rebuscada e cláusulas que soam ameaçadoras geram insegurança, desconfiança e tensão em quem tenta entender o acordo antes de assiná-lo e engavetá-lo, como ocorre em grande parte das vezes. Quando se trata de contratos de trabalho ou de prestação de serviço, a falta de clareza e entendimento do que é esperado de cada parte naquela parceria colabora para uma relação que já começa desequilibrada, e por isso, frágil.

Para ler o conteúdo na íntegra, acesse este link


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Tem alguma dúvida?