A abordagem cria mecanismos de prevenção e solução de conflitos entre as próprias pessoas que estão envolvidas no contrato

Acolhimento é a palavra que sintetiza a atuação do Instituto Refazer, uma ONG carioca que oferece assistência a crianças com patologias e suas famílias. Contudo, não era este o sentimento que permeava as relações entre os funcionários, voluntários e a liderança. 

Foi em busca de um processo de pacificação, onde houvesse o respeito às individualidades e a construção de um ambiente de autorresponsabilidade e confiança, que a ONG teve contato com a abordagem dos Contratos Conscientes. Especialista na área, a SER Consultoria desenvolveu um trabalho de resolução de conflitos e prevenção, baseando-se no diálogo para criar uma relação sustentável. 

Entenda mais sobre o processo e a elaboração de um Contrato Consciente:

Quem é o Instituto Refazer

Criado no Rio de Janeiro, em 1995, o Instituto Refazer é uma ONG que ajuda crianças com patologias raras ou crônicas, encaminhadas pelo Instituto Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz). Hoje, devido às dificuldades financeiras, atende a 33 pacientes com medicação, leite especial, suplementação alimentar e material médico hospitalar. 

Mais do que oferecer assistência para as crianças, o Instituto Refazer tem o papel de dar suporte e melhorar a qualidade de vida das famílias advindas de situações de vulnerabilidade social. Muitas vezes são mulheres desamparadas e que, por conta da situação de saúde de seus filhos, precisam largar o emprego para se dedicarem aos cuidados necessários.  

Assim, o Instituto também conta com um importante braço de atuação na área de capacitação dessas mães. Através de oficinas de costura, bordado e bijuteria, dá a oportunidade dessas mulheres aprenderem uma nova profissão. Oferece ainda apoio psicológico, assistência social e rodas de conversas com temas socioeducacionais.

Também possuía um projeto de reformas das casas das famílias atendidas pela ONG. Aqui, o objetivo era promover melhorias e possibilitar a acessibilidade, especialmente de crianças que utilizam cadeiras de rodas. Devido à falta de parceiros, o programa está suspenso desde 2018. 

Desafios

Desde 2015, a situação financeira da instituição vinha impactada pelo crescente déficit orçamentário. Em 2017, a voluntária Vânia Benvolf assumiu a presidência do Instituto Refazer e passou a trabalhar no contingenciamento da crise e na remodelação do quadro de funcionários. 

Esse processo gerou desgastes nas relações entre a líder e os dez membros da equipe. O ambiente era de desconfiança, receio e antipatia com a nova gestão. 

Para apaziguar as relações, a SER Consultoria atuou na mediação de conflitos e na formulação de um Contrato Consciente para definir os compromissos e fortalecer os vínculos de cada colaborador do Instituto Refazer. 

Metodologia aplicada

Através de práticas colaborativas, a SER Consultoria se empenhou na construção de um trabalho customizado para o caso. O processo iniciou com duas reuniões pessoais com a presidente da ONG, além de uma série de entrevistas individuais em profundidade com cada membro da equipe. 

A intenção é identificar os motivadores dos conflitos existentes e os interesses de cada parte, a fim de se desenhar uma solução conjunta e auto negociada que ofereça benefícios mútuos. Depois disso, foi realizada a reunião coletiva entre a líder Vânia, a diretoria e os colaboradores do Instituto Refazer. 

“Quando a advogada Fernanda Guerra veio conversar comigo, eu disse que preferia que ela fizesse o processo com os funcionários, já que eles estavam desunidos. Ela me convenceu a participar, pois eu era a líder. Mesmo sem estar emocionalmente disposta, participei”, relata Vânia Benvolf. “O seu trabalho trouxe uma reflexão sobre o quanto somos humanos. Não sou presidente.  Sou a Vânia que chora, que tem problemas, que se arrepende, que tem temperamento forte. Essa reunião foi um lavar de almas”, complementa.

Após o mapeamento das possíveis soluções conjuntas, foi criado um acordo sustentável que atuou na regeneração das relações e na prevenção de futuros conflitos. Além disso, o documento foi elaborado com linguagem acessível, possibilitando que seja inteligível e amigável às partes.

O Contrato Consciente firmado se propõe a ser a materialização de uma parceria para a construção de consenso. Em oposição aos contratos convencionais, seu objetivo não é prever soluções hipotéticas para problemas futuros, mas estimular um olhar sistêmico, onde se identificam todos os fatores de modo mais amplo e interligado. 

Resultados

O Contrato Consciente promove a pacificação social, pois reconhece a diversidade e se propõe a criar um espaço de confiança para lidar com as mudanças de forma transparente. “Acredito que se não tivéssemos passado por isso, eu não teria conseguido hoje a adesão, a solidariedade e o espírito de equipe que temos durante a pandemia”, ressalta a presidente.

A abordagem garante a multiparcialidade, dá autonomia na tomada de decisões e preserva as relações. “Hoje percebo um reconhecimento generalizado ao meu trabalho, mantendo a instituição aberta, dando muito mais do que eu dava. Agora estamos doando cestas básicas, máscaras e álcool em gel, além de termos mantido os empregos dos colaboradores durante o período de crise. Temos um trabalho de equipe maravilhoso, porque não existe líder sem liderados”, finaliza Vânia.

Sobre a SER Consultoria

Idealizada e co-fundada pela advogada Fernanda Guerra, a SER Consultoria tem por objetivo orientar indivíduos, empresas e comunidades na gestão de relações contratuais. É considerada uma empresa de impacto social, pois busca a sustentabilidade dos negócios, a harmonia das relações e garante a acessibilidade à Justiça, especialmente através da via extrajudicial.

A consultoria é especializada no desenvolvimento de Contratos Conscientes, uma abordagem focada nas relações e nos valores partilhados entre as partes de um contrato. Os documentos legais são criados por meio do diálogo, criando um espaço de clareza, transparência, confiança e comprometimento entre os envolvidos.

Em 2020, Fernanda Guerra foi a primeira advogada da América Latina a receber a licença para o uso da marca Conscious Contract. A certificação foi concedida pela criadora do termo Contratos Conscientes e responsável pela patente, a advogada americana Linda Alvarez, e pela profissional de referência mundial na prática da abordagem, a advogada J. Kim Wright.

Categories: Cases

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Tem alguma dúvida?